PAN propõe retirar denominação de origem proibida e impedir a comercialização da carne de toiro de lide



O PAN vai apresentar mais de 200 propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2021 (OE2021). Uma delas tem que ver com a desclassificação da carne de toiro de lide como DOP e interdição da sua comercialização para consumo humano.

Na proposta de alteração entregue na Assembleia da República, os deputados André Silva, Bebiana Cunha e Inês de Sousa Real sugerem que, a partir do próximo ano, o Governo proceda “à desclassificação da ´carne de bravo do ribatejo´ como denominação de origem protegida (DOP), passando a ser proibida a comercialização, para fins de consumo humano, de animais que tenham sido utilizados nos espetáculos tauromáquicos”.

Para os deputados do PAN, “a carne dos animais utilizados em espetáculos tauromáquicos […] constitui um risco para a própria saúde pública, tendo em conta que estes animais são lidados na arena com recurso a bandarilhas, que não são esterilizadas nem sequer higienizadas, que lhes provocam feridas profundas e abertas que são tratadas com recurso a medicamentos”.

“A classificação da ´Carne de bravo do Ribatejo´ como Denominação de Origem Protegida concede aos criadores maiores rendimentos, mas oculta dos consumidores todo um processo sangrento, cruel e até ilegal que está patente durante o processo de criação destes animais, ou seja, durante o processo de criação deste tipo de carne”, refere o documento.