Opinião: “O caso Azambuja. Amor com amor se paga.”




Chegámos a este ponto: uma Junta de Freguesia promete seleccionar os artistas a contratar para os seus eventos culturais. Parece mentira mas é verdade e na realidade, é tudo um caso de reciprocidade.

A Junta de Freguesia da Azambuja publicou na passada semana, na sua página oficial de facebook, um comunicado no qual refere que a programação cultural do município contaria apenas com artistas que não se manifestem publicamente contra as suas tradições, nomeadamente contra a Tauromaquia, uma vertente muito enraizada naquela localidade.

Rapidamente surgiram os que aplaudiram e os que contestaram, considerando este gesto “absolutamente anti-democrático, por ser um atentado à liberdade de expressão”.

Isto tudo a propósito de uma carta pública onde se pede que a RTP não transmita corridas de toiros, assinada por mais de duas centenas de ditas personalidades de vários quadrantes e que se assumem assim, anti-taurinos.

Ora, esses mesmos artistas, na sua maioria músicos, sentiram-se posteriormente ofendidos ao saber que a Junta de Freguesia de Azambuja lhes nega palco nas suas festas, entre elas a Feira de Maio, uma das mais castiças das Festas Ribatejanas e tão dedicada à cultura taurina.

Mas esta ofensa é pois um contra-senso, já que não se pode ser contra uma expressão cultural e querer proibi-la, para depois se ganhar dinheiro às custas de festejos que dignificam essa vertente.

E portanto nesta história, não há vencidos nem vencedores, há “censura” e “proibição” dos dois lados da barricada, já que a Junta de Freguesia de Azambuja impõe os seus gostos culturais e vetará os que contra eles andarem, tal como esses artistas que assinaram o manifesto pedindo a proibição de toiros num canal público (e portanto é de, e para todos, os portugueses) pretendem impor as suas vontades, vetando os milhares que gostam de Tauromaquia a poderem assistir a corridas televisionadas.

Assim, os que agora apupam a decisão da freguesia azambujense deviam primeiro pensar que esse “atentado à liberdade de expressão”, já eles o praticam há muito contra os aficionados à festa brava.

Caso para dizer, amor com amor se paga.